30 de dezembro de 2011

Top 5: Mulheres do rock dos anos 90

Top 5: Mulheres do rock que marcaram a década de 90

Por: Música na Veia

Os anos 90 foram marcados musicalmente pelo Girl Power. Apesar do termo ter sido popularizado pelas Spice Girls, que só apareceram na metade da década, diversas mulheres já vinham chamando a atenção de público e crítica.

Pensando que estamos no último dia de 2011, resolvemos ser totalmente saudosistas e fazer um Top 5 com mulheres que, de tão poderosas, se tornaram inesquecíveis quando o assunto é rock dos anos 90.

 

Shirley Manson
A ruiva escocesa entrou para o Garbage sem saber que Butch Vig, que formou a banda em 1994, estava por trás do maior sucesso do Nirvana, “Nevermind” (1991). Apesar da química entre Shirley e o restante da banda não ter dado certo em seu primeiro teste, após pouco menos de um ano, ela voltou a cantar com Butch, Duke Erikson e Steve Marker – e o resto é história.

Alanis Morissette
A canadense Alanis chegou com os dois pés na porta ao lançar “You Oughta Know”. A música, que assim como o restante de “Jagged Little Pill” (primeiro disco da cantora a ser lançado internacionalmente), expõe de forma agressiva e direta um dos relacionamentos de Alanis. Ter Flea e Dave Navarro, baixista e guitarrista do Red Hot Chili Peppers, gravando e endossando seu trabalho foi só a cereja no topo do bolo para que o mundo prestasse atenção nas revoltas e descobertas da cantora que tinha, na época, somente 21 anos.

Gwen Stefani
Vista como a garota que invadiu o clube do bolinha, Gwen desde sempre mostrou personalidade forte, apesar de nunca deixar a feminilidade de lado. Se com “Don’t Speak” ela e seu No Doubt embalaram diversas dores de cotovelo de 95, em “Just A Girl” ela falava exatamente sobre o fato de ser uma garota, todas as coisas que pode ou não fazer e como está cansada de ver pessoas dizendo que seu destino está traçado.

Dolores O’Riordan
Dolores foi a primeira de nossa lista a fazer sucesso. Em 92, após lançar “Dreams”, primeiro single do debut do The Cranberries, “Everybody Else Is Doing It, So Why Can’t We?” (1993), esta irlandesa encantou o mundo com sua voz única. Depois disto foi hit atrás de hit. “Zombie” chamou a atenção, assim como “Sunday Bloody Sunday” do U2 fez quase 20 anos antes, em 1983, sobre os constantes conflitos entre Irlanda e Irlanda do Norte, pautados por suas diferenças religiosas e luta por território.

Courtney Love
A mais bagunceira e odiada de nossa breve lista, Courtney Love está ai, na ativa quando possível e, mesmo após duas décadas, consegue sempre ser foco de polêmicas. Enquanto ela se tornou conhecida a princípio por ser a esposa louca de Kurt Cobain, a música já estava em sua vida há tempos. Líder do Hole, Courtney nunca chegou a fazer o mesmo sucesso de seu falecido marido, mas teve seus pontos altos com a banda. Como em 94, ao lançar seu segundo disco, “Live Through This” do qual saiu o single “Violet”. E depois, quatro anos mais tarde, com o álbum “Celebrity Skin”.